terça-feira, agosto 08, 2006

UM VÍCIO CHAMADO AMOR

Um belo dia você percebe que sua vida mudou. Uns percebem isso aos 40, outros aos 20 e alguns morrem sem perceber ou se envergonham de assumir. Assumir que seus dias ficaram mais bonitos, que você é mais, não mais completo uma vez que não fracionado. É mais porque ele te achou... Encontrou sem procurar, não avisou que ia chegar, não marcou hora nem lugar. Surpreendeu-te perdido, vagando pelo vazio da vida ou na rua bebendo com amigos, te encontrou, te envolveu e passou a ter enorme importância no seu cotidiano, mas sem sufocá-lo, apenas uma importância natural. Menino esperto! Trouxe na mochila segurança, cumplicidade e chão... Em pouco tempo, aquelas noites de sábado já não se perdem em baladas, questionamentos e amarguras. São boas na rua jantando, em uma festa dançando ou em casa, encaixado no colo curtindo um DVD qualquer. Ele esqueceu da perfeição... Logo seu mau humor matinal persiste vez ou outra e aqueles dias terríveis em que tudo dá errado não pararam de nascer. Ele fez algo simples. Fez com que você seja você, cada dia um pouco mais, cada dia mais bonita e do jeitinho que você é. Não te livra de mágoas, nem sofrimentos... É real, puro, transparente e verdadeiro, nem sempre recíproco e eterno como desejas. Um dia ele se vai e te machuca, transforma suspiros e desejos, sonhos e sorrisos em lágrimas. E te deixa vazio, totalmente sem compasso.
Você pode chorar horrores, se deprimir, mas não lamente. Você viveu um Amor, viveu e com certeza se viciou. Porque amar nos eleva a um ponto máximo, extremo, inconceituável. Seus amigos e amigas, ainda que muito próximos, certamente não compreendem a dimensão e a profundidade do que você sente. Na intenção de ajuda-la, dizem apenas esqueça dele, como se fosse fácil, não? O amor é muito maravilhoso, é preciso dar valor ao simples fato de AMAR. Tudo bem, ele acontece num dia, assim como noutro vai embora, mas sua ida não é um sinal que o mundo acabou, outros amores virão. Não comungue a utopia de que se ama apenas uma vez na vida, nem acredite na incredibilidade amorosa dos novos tempos. Não se torne descartável. O amor existe sim e existirá sempre para aqueles que acreditam nele. Certamente, não vai encontrá-lo numa busca compulsiva, no individualismo ou na cura do amor que você perdeu. Cada amor é único! E você se lembrará dele com saudade, a cada momento, a cada trilha sonora, mesmo machucado, depressivo e com noites de sono perdidas.
O amor assim como outros tantos da vida, tem dois lados. Vale portanto balancear, preservar o que é bom, que se eterniza e aprender com os tombos a se levantar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário